sábado, 10 de setembro de 2011

Análise: Parrot AR. Drone

Com quatro hélices e um motor elétrico, o quadricóptero mais desejado do mundo garante muita diversão para os usuários.



O Tecmundo testou um dos aparelhos mais desejados dos últimos tempos: o AR. Drone, um quadricópetro controlado por aplicativos criados para iPhone. O “AR” do nome vem de “realidade aumentada”, pois muitos jogos podem ser desenvolvidos utilizando esse conceito.
Se o usuário não quiser jogar, mas apenas se divertir com um brinquedo controlado remotamente, o AR. Drone também é uma opção. Com comandos simples e intuitivos, ele permite que até mesmo quem nunca controlou um helicóptero consiga brincar sem ter medo de quebrar o equipamento.


Aprovado



Facilidade na conexão

Sincronizar o iPhone ao AR. Drone é muito fácil. Tudo o que o piloto precisa fazer é ativar as conexões Wi-Fi do smartphone e encontrar a rede referente ao “quadricóptero”. Então, é só selecioná-la e abrir o aplicativo do Drone para que a conexão seja autenticada.


Diversão garantida

Quem comprar o AR. Drone pode optar por baixar aplicativos pagos, com vários jogos de realidade aumentada. Mas se você não pretende gastar na loja de aplicativos da Apple, pode utilizar apenas o software principal para controlar o “quadricóptero” - o que já garante muita diversão.


Sistema de controle

Totalmente comandado pela tela do iPhone, não demora muito para que os usuários consigam compreender completamente o modo de controle do AR. Drone. As funções de decolagem e pouso são bastante intuitivas e só precisam de um botão para que sejam ativadas.
Controlar o “quadricóptero” no ar é um pouco mais complicado, mas não chega a ser um grande desafio. A interface do aplicativo de controle apresenta dois manches principais. O da esquerda deve ser pressionado para a ativação do giroscópio, fazendo com que o Drone respeite os comandos gestuais do usuário.
O da direita é responsável pela modificação do eixo. Ou seja, é com ele que o controlador pode ordenar que o AR. Drone mude de direção. A tela do iPhone mostra exatamente para onde o Drone está apontado, pois ele possui uma câmera que é utilizada para integrar-se aos aplicativos de realidade aumentada.


Estabilidade e segurança

Se um helicóptero de brinquedo é difícil de controlar, podemos achar que um “quadricóptero” deve ser ainda mais complicado. Mas a verdade é que, com quatro hélices, o AR. Drone é muito estável. Comparado a outros brinquedos, ele consegue se destacar pela facilidade no controle, já que caso o usuário não saiba o que fazer, basta soltar os controles e ele volta a ficar parado.
Utilizando a proteção de isopor, ele permite também que (sempre tomando muito cuidado) o controlador possa utilizar as mãos para alterar a sua trajetória. Dessa maneira, evitam-se muitos acidentes, tanto com o AR. Drone quanto com as pessoas que estão envolvidas na brincadeira.


Reprovado


Manutenção

Em uma primeira vista, pode parecer que o AR. Drone é bastante frágil, ainda mais por ser construído com uma série de partes de isopor. Felizmente esse material é responsável pela proteção das hélices, pois evita que qualquer impacto lateral que possa acontecer seja absorvido pelas peças mecânicas.
O problema é que, mesmo com a segurança existente, caso aconteça algum problema com as peças, será necessário importá-las. Isso porque não há centrais de reparos autorizadas no Brasil. Mesmo com os vários tutoriais de manutenção existentes no site oficial da Parrot, qualquer troca de peças pode ser um grande problema.


Autonomia da bateria

Comparado a outros helicópteros elétricos, o AR. Drone garante mais tempo de diversão, mas isso não representa um aumento de autonomia muito grande. Para manter as quatro hélices do aparelho em funcionamento, a bateria suporta cerca de 12 minutos e demanda 90 minutos de carga.
(Fonte da imagem: Divulgação/Parrot)
Caso o usuário não possua baterias reservas, será necessário esperar a recarga completa até que possa voltar a brincar. Se mais de uma pessoa estiver envolvida, pouco tempo poderá ser aproveitado por cada um até que a carga se esgote.


Vale a pena?

Diferente de outros helicópteros, o AR. Drone não precisa de muita destreza para ser controlado, pois é muito mais estável. Isso significa que o investimento para adquirir um deles pode ser muito menor do que a soma de custos para comprar e manter modelos de outras marcas.
Por enquanto, os aplicativos para Android ainda estão em fase Beta, por isso não é tão seguro utilizar smartphones com esse sistema operacional para controlar o Drone. Isso exige que o usuário possua um iPhone, iPod Touch ou iPad para brincar, o que pode significar um gasto maior.
É preciso dizer que o investimento não é dos menores. Em lojas brasileiras, ainda não é possível encontrar o Drone por menos de 2 mil reais. A Amazon norte-americana realiza o envio para o Brasil por cerca de 700 dólares (1120 reais, já com todas as taxas de importação e frete inclusas, evitando problemas com a alfândega).
Em lojas dos Estados Unidos, o equipamento pode ser encontrado por preços ainda menores. O valor sugerido pela Parrot é de 299 dólares (480 reais), sendo ele respeitado pela grande.



Fonte> Tecmundo http://goo.gl/gzhS8

Nenhum comentário: